Exposição Dalva de Barros 80 Anos! chega a Primavera do Leste

0
90

A exposição Dalva de Barros segue percorrendo o interior de Mato Grosso. A mostra fica em cartaz até o dia 04 de junho e o horário de visitação é de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h com entrada gratuita. A exposição faz parte da programação oficial de aniversário da cidade que completou 30 anos no dia 13 de Maio de 2016.

Em formato menor que a apresentada em Cuiabá, a mostra mantém a composição da trajetória da artista mato-grossense e trabalhos de alguns dos seus discípulos que, mais tarde, tornaram-se renomados pintores do Estado como Adir Sodré, Benedito Nunes, Dirce Nestor, Márcio Aurélio e Regina Pena.

Em Primavera do Leste a exposição foi adaptada para o espaço disponível e será composta por 20 obras no total. Com curadoria de Gervane de Paula a mostra inclui, além de telas, um vídeo-documentário.

Itinerância

A exposição Dalva de Barros 80 Anos! Inaugurou a Galeria de Artes Lava Pés, em Cuiabá, em outubro do ano passado e permaneceu por cinco meses em cartaz tendo sido visitada por cerca de 2,5 mil pessoas. Em abril deste ano a mostra foi levada a Rondonópolis.

“Me sinto honrada com essa homenagem e muito feliz por saber que a mostra não ficará apenas em Cuiabá, possibilitando que os moradores dessas regiões conheçam o meu trabalho e dos colegas que participam comigo na exposição”, destacou a artista.

A exposição é uma realização do Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC).

Dalva de Barros

A cuiabana Dalva de Barros fez 80 anos em 2015 e tem mais de 50 de carreira. O primeiro curso de pintura foi por correspondência, aos 23 anos, quando era professora e estudava nos horários de folga. Foi convidada pela crítica de arte Aline Figueiredo para participar de um concurso em Campo Grande, no ano de 1966, e conquistou o 3º lugar. A obra foi adquirida pelo diretor do Museu de Arte de São Paulo.

Em 1967 começou a estudar no Rio de Janeiro e foi bolsista no curso livre de pintura na Escola Nacional de Belas Artes. Voltou para Mato Grosso em 1971, quando começou a trabalhar com artesanato. Entre 1976 e 1980 ficou responsável pelo Ateliê Livre, que funcionava dentro da Fundação Cultural do Estado. Nos anos seguintes, entre 1981 e 1996, foi orientadora do Ateliê do Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso. Nos dois ateliês é que Dalva ajudou na formação dos discípulos Gervane de Paula, Adir Sodré, Benedito Nunes, Dirce Nestor, Márcio Aurélio e Regina Pena, que hoje integram com a artista a exposição Dalva de Barros 80 Anos!.