No evento com entrada gratuita, haverá também apresentação de música autoral-alternativa, recitação de poesias, exposição de fotografias, desenhos e pinturas e outras manifestações culturais.

Cuiabano lança livro de poesias sobre temas variados

Moises-Carlos-de-Amorim-red.jpg

O poeta cuiabano Moisés Carlos Amorim, lança, no próximo dia 9 de setembro, sábado, seu primeiro livro de poesias, chamado “Entre Dias e Noites”. O lançamento será na Casa Cuiabana, em um evento que acontece das 10h às 18h.

Moisés nasceu em Cuiabá e é formado em letras pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Na mesma instituição, tornou-se mestre em Estudos de Cultura Contemporânea (ECCO). Atualmente, ele vive em Santo Antônio de Leverger.

Seu livro reúne poemas de diversos assuntos, desde críticas em relação à formação de si, de sua terra e sua pátria, até poesia que fala de amor. “Em poemas como “Do homem anônimo para a mulher anônima”, “Interlúdio do Fogo” entre outros, vemos o amor como um símbolo que se relaciona às variadas faces do sentimento. No primeiro poema, o amor é incompreensível, no entanto, isso não se traduz na ausência de sentido ao ser que ama, visto que o sentimento se alicerça no subjetivismo do amador; no segundo, evidencia a realidade desse sentimento relacionado ao ato concreto”, afirmou o crítico literário Carlos Lisboa, em publicação sobre a obra.

No evento de lançamento do livro, a entrada é gratuita, e haverá também apresentação de música autoral-alternativa, recitação de poesias, exposição de fotografias, desenhos e pinturas, dentre outras manifestações culturais.

Sobre a importância da poesia, o autor comenta: “A poesia é um alimento espiritual… A água e o pão que há nela saciam a fome e a sede da humanidade inteira, porque toda a humanidade, independentemente de classe ou valor social, é miserável”. Essa visão um tanto pessimista é apenas um dos fundamentos de sua poesia, do seu fazer poético e assim percebemos quando ele, otimista, sobre o poder da poesia, revela: “Sem dúvida, aquela Magia fará descendentes, como fonte incorruptível deixado para a humanidade. E nada, nenhuma pedra, será como antes”.

Veja alguns dos poemas:

Acontecimento em Santo Antônio
Em uma noite de verão
os raios do luar incendiaram a superfície
do rio
(com extrema luminosidade)
enquanto a cidade e os seus habitantes
calmamente adormeciam
às 22:00 horas

Ode às Casas Populares
Em minha terra
não foi construído nenhum
arranha-céu
para que não atrapalhe o voo
dos pássaros
– tráfego aéreo com fluxo
permanente.
Ao povo esquecido
da minha terra, os maiores
pedreiros edificaram casas,
que são obras
singulares e costumeiras
do cotidiano

Canção do Vento
Um dia, serei a brisa que passa…
E o meu destino – correr para longe
percorrendo campos em flor…
Ah! ser elemento da natureza
irmão das águas e das pedras…
Ao luar, as árvores cobrirão meu
corpo aéreo com as folhagens
ainda verdes. E dançaremos ao
amanhecer, enquanto na terra
descansam os seres grandes ou
pequenos… Então, oh! chuva,
no dia claro ou em hora sombria,
levarei minha dádiva como um
segredo – o ar puro da primavera.

Elegia para Lêdo Ivo
Foi a Espanha que o viu pela última
vez, entre a gigantesca profusão dos pássaros.
E a bruma, embora densa, não pôde sufocar
as palavras, que o acompanharam durante a
vida e desabrocharam para além do túmulo.
Desde o princípio, a bandeira tremulante da
vertigem calcinou nos seus versos uma linguagem
verdadeira. Fruto imperecível… Contudo, os dias
chegarão pelo quadrante do tempo com prevista
naturalidade, de modo que fique numa data
o falecimento do poeta, ocorrido em Sevilha.
E os telejornais retomem o cotidiano, suspenso
pela triste reportagem. Sem dúvida, aquela Magia
fará descendentes, como fonte incorruptível
deixado para a humanidade. E nada, nenhuma
pedra, será como antes.

Serviço
Pré-lançamento de livro de Poesias “Entre dias e noites” de Moisés Carlos de Amorim
Quando: Sábado (09)
Horário: das 10h às 18h
Onde: Casa Cuiabana
Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *